10.7 C
Bruxelas
Quinta-feira, abril 18, 2024
EuropaCombate ao branqueamento de capitais – acordo para criar uma nova autoridade europeia

Combate ao branqueamento de capitais – acordo para criar uma nova autoridade europeia

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

instituições oficiais
instituições oficiais
Notícias vindas principalmente de instituições oficiais (officialinstitutions)

Ontem, o Conselho e o Parlamento chegaram a um acordo provisório sobre a criação de uma nova autoridade europeia contra o branqueamento de capitais e contrariar Financiamento do Terrorismo (AMLA) – a peça central do pacote de combate ao branqueamento de capitais, que visa proteger os cidadãos da UE e o sistema financeiro da UE contra o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo.

A AMLA terá poderes de supervisão diretos e indiretos sobre entidades obrigadas de alto risco no setor financeiro. Este acordo deixa de fora uma decisão sobre a localização da sede da agência, assunto que continua a ser discutido em separado.

Dada a natureza transfronteiriça do crime financeiro, a nova autoridade aumentará a eficiência do quadro de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo (BC/CFT), através da criação de um mecanismo integrado com os supervisores nacionais para garantir que as entidades obrigadas cumprem os Obrigações relacionadas com LBC/CFT no setor financeiro. A AMLA também terá um papel de apoio no que diz respeito setores não financeiroscoordenar unidades de inteligência financeira nos estados membros.

Para além dos poderes de supervisão e de forma a garantir o cumprimento, em casos de infracções graves, sistemáticas ou repetidas de requisitos directamente aplicáveis, a Autoridade impor sanções pecuniárias nas entidades obrigadas selecionadas.

Poderes de supervisão

O acordo provisório acrescenta poderes à AMLA para supervisionar diretamente certos tipos de instituições de crédito e financeiras, incluindo provedores de serviços de criptoativos, se forem considerados de alto risco ou operarem além-fronteiras.

A AMLA realizará um seleção de instituições de crédito e financeiras que representam um risco elevado em vários Estados-Membros. As entidades obrigadas selecionadas serão supervisionadas por equipas conjuntas de supervisão lideradas pela AMLA que, entre outras coisas, realizarão avaliações e inspeções. O acordo confia a autoridade para supervisionar até 40 grupos e entidades no primeiro processo seletivo.

Escolha entidades obrigadas não selecionadas, a supervisão ABC/CFT permaneceria principalmente a nível nacional.

Para o setor não financeiro, a AMLA terá um papel de apoio, realizando análises e investigando possíveis violações na aplicação do quadro ABC/CFT. A AMLA terá o poder de emitir recomendações não vinculativas. Os supervisores nacionais poderão criar voluntariamente um colégio para uma entidade não financeira que opere além-fronteiras, se considerarem necessário.

O acordo provisório alarga o âmbito e o conteúdo da base de dados de supervisão da AMLA, solicitando à Autoridade que estabeleça e mantenha actualizada uma base de dados de supervisão banco de dados central de informações relevante para o sistema de supervisão ABC/CFT.

Sanções financeiras direcionadas

A Autoridade verificará se as entidades obrigadas selecionadas dispõem de políticas e procedimentos internos para garantir a aplicação de sanções financeiras específicas, congelamentos e confiscos de bens.

Governance

A AMLA terá um conselho geral composto por representantes dos supervisores e Unidades de Inteligência Financeira de todos os estados membros, e um conselho executivo, que seria o órgão de governo da AMLA, composto pelo presidente da Autoridade e cinco membros independentes a tempo inteiro.

O Conselho e o Parlamento eliminaram o direito de veto da Comissão sobre alguns dos poderes do conselho executivo, nomeadamente os seus poderes orçamentais.

Denúncia

O acordo provisório introduz um mecanismo reforçado de denúncia de irregularidades. No que diz respeito às entidades obrigadas, a AMLA tratará apenas de relatórios provenientes do setor financeiro. Também poderá atender relatórios de funcionários de autoridades nacionais.

Desentendimentos

A AMLA terá o poder de resolver divergências com efeito vinculativo no contexto dos colégios do setor financeiro e, em qualquer outro caso, a pedido de um supervisor financeiro.

Assento AMLA

O Conselho e o Parlamento Europeu estão atualmente a negociar os princípios do processo de seleção da localização da nova sede da Autoridade. Uma vez acordado o processo de seleção, o processo de seleção da vaga será concluído e o local será introduzido no regulamento.

Próximos passos

O texto do acordo provisório será agora finalizado e apresentado aos representantes dos Estados-Membros e ao Parlamento Europeu para aprovação. Se aprovados, o Conselho e o Parlamento terão de adotar formalmente os textos.

As negociações entre o Conselho e o Parlamento sobre o regulamento relativo aos requisitos de combate ao branqueamento de capitais para o setor privado e a diretiva relativa aos mecanismos de combate ao branqueamento de capitais ainda estão em curso.

BACKGROUND

Em 20 de julho de 2021, a Comissão apresentou o seu pacote de propostas legislativas para reforçar as regras da UE em matéria de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo (BC/CFT). Este pacote consiste em:

  • um regulamento que estabelece um novo EU autoridade anti-lavagem de dinheiro (AMLA), que terá poderes para impor sanções e penalidades
  • um regulamento que reformula o regulamento relativo às transferências de fundos, que visa tornar as transferências de criptoativos mais transparentes e totalmente rastreáveis
  • um regulamento sobre requisitos de combate ao branqueamento de capitais para o setor privado
  • uma directiva sobre mecanismos de combate ao branqueamento de capitais

O Conselho e o Parlamento chegaram a um acordo provisório sobre o regulamento relativo às transferências de fundos em 29 de junho de 2022.

combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -