14.2 C
Bruxelas
Quinta-feira, abril 11, 2024
InternacionaisTribunal Internacional de Justiça apela a Israel para evitar “genocídio” em Gaza

Tribunal Internacional de Justiça apela a Israel para evitar “genocídio” em Gaza

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Na sexta-feira, 26 de janeiro, o mais alto tribunal das Nações Unidas instou Israel a tomar todas as medidas para prevenir quaisquer atos de genocídio, na Faixa de Gaza. A aguardada decisão foi tomada pela Corte Internacional de Justiça (CIJ), com sede em Haia, na Holanda.

Além disso, o tribunal apelou a Israel para conceder acesso a Gaza. Enfatizou que Israel deveria facilitar imediata e eficazmente a prestação de serviços e ajuda humanitária urgente necessária aos palestinos para resolver as suas condições de vida.

O Primeiro-Ministro israelita sublinhou que o TIJ não estava a retirar a Israel o direito de se defender, mas que estava indignado pelo facto de o tribunal se ter declarado competente para decidir sobre o mérito do caso. Continuou afirmando que Israel estava a travar uma guerra justa contra os monstros do Hamas que mataram, raptaram, violaram e torturaram cidadãos israelitas, e que continuaria a fazê-lo enquanto o Hamas constituísse uma ameaça à segurança e à existência de Israel.

Em resposta a estes desenvolvimentos, o primeiro-ministro israelita, Benyamin Netanyahu, denunciou rapidamente as alegações da África do Sul de “genocídio” em Gaza como ultrajantes. sublinhou que o TIJ não estava a retirar a Israel o direito de se defender, mas que estava indignado com o facto de o tribunal se ter declarado competente para decidir sobre o mérito do caso. Continuou afirmando que Israel estava a travar uma guerra justa contra os monstros do Hamas que mataram, raptaram, violaram e torturaram cidadãos israelitas, e que continuaria a fazê-lo enquanto o Hamas constituísse uma ameaça à segurança e à existência de Israel.

Reações de vários países

A África do Sul saudou uma “vitória decisiva para o governo da internacionalmente lei e um passo importante na busca de justiça para o povo palestino”. O Ministério dos Negócios Estrangeiros sul-africano considerou que o Tribunal “determinou que as ações de Israel em Gaza são plausivelmente genocidas e indicou medidas provisórias nessa base”, agradecendo-lhe “pela sua rápida decisão”.

O ministro das Relações Exteriores da Autoridade Palestina, Riyad al-Maliki, falou em uma mensagem de vídeo. A ordem de sexta-feira é “um aviso importante de que nenhum estado está acima da lei”, disse ele. “Os Estados têm agora uma obrigação legal clara de pôr fim à guerra genocida de Israel contra o povo palestiniano de Gaza.”

O Hamas, no poder em Gaza desde 2007, saudou “um desenvolvimento importante” que, na sua opinião, “isola Israel” na cena internacional.

O Ministro da Segurança Nacional, uma figura de extrema direita, considera que as medidas cautelares solicitadas a Israel pelo Tribunal Internacional de Justiça são de natureza anti-semita e apela a Israel para que não cumpra esta decisão.

Os Estados Unidos também reagiram através de um porta-voz do Departamento de Estado: “Continuamos a acreditar que as acusações de genocídio são infundadas e observamos que o Tribunal não concluiu o genocídio nem apelou a um cessar-fogo”.

A União Europeia apelou à implementação “plena e imediata” desta decisão, saudada por vários países, incluindo a Turquia, o Irão e a Espanha.

Você pode leia a ordem da CIJ na íntegra aqui e assista ao vídeo completo do julgamento SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -