11.6 C
Bruxelas
Sexta-feira, Maio 24, 2024
ReligiãoPROIBIDORússia, Testemunhas de Jeová banidas desde 20 de abril de 2017

Rússia, Testemunhas de Jeová banidas desde 20 de abril de 2017

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Willy Fautre
Willy Fautrehttps://www.hrwf.eu
Willy Fautré, antigo encarregado de missão no Gabinete do Ministério da Educação belga e no Parlamento belga. Ele é o diretor do Human Rights Without Frontiers (HRWF), uma ONG com sede em Bruxelas que fundou em dezembro de 1988. A sua organização defende os direitos humanos em geral, com especial enfoque nas minorias étnicas e religiosas, na liberdade de expressão, nos direitos das mulheres e nas pessoas LGBT. A HRWF é independente de qualquer movimento político e de qualquer religião. Fautré realizou missões de apuramento de factos sobre direitos humanos em mais de 25 países, incluindo em regiões perigosas como o Iraque, a Nicarágua sandinista ou os territórios maoístas do Nepal. Ele é professor em universidades na área de direitos humanos. Publicou muitos artigos em revistas universitárias sobre as relações entre o Estado e as religiões. É membro do Press Club de Bruxelas. É defensor dos direitos humanos na ONU, no Parlamento Europeu e na OSCE.

Sede Mundial das Testemunhas de Jeová (20.04.2024) – 20 de abrilth marca o sétimo aniversário da proibição nacional das Testemunhas de Jeová na Rússia, que levou à prisão de centenas de crentes pacíficos e a alguns brutalmente torturados.

Os defensores internacionais dos direitos humanos condenam a Rússia por perseguir as Testemunhas de Jeová, o que lembra assustadoramente a repressão que as Testemunhas enfrentaram durante a era soviética. Os especialistas afirmam que a perseguição às Testemunhas de Jeová na Rússia tem sido um prelúdio para o regresso da opressão estalinista em grande escala.

“É difícil acreditar que este ataque nacional às Testemunhas de Jeová tenha continuado durante sete anos. Por razões que ultrapassam a compreensão, a Rússia utiliza enormes recursos locais e nacionais para caçar Testemunhas de Jeová inofensivas — incluindo os idosos e os enfermos — muitas vezes invadindo as suas casas nas primeiras horas da manhã ou a meio da noite”, dito Jarrod Lopes, porta-voz das Testemunhas de Jeová.

“Durante essas invasões domiciliares ou quando são interrogados, homens e mulheres inocentes são às vezes espancados ou até torturados para revelar os nomes e o paradeiro de seus irmãos crentes. As Testemunhas de Jeová são criminalizadas simplesmente por lerem a Bíblia, cantarem canções e falarem pacificamente sobre as suas crenças cristãs. As autoridades russas, com uma animosidade infundada contra os cristãos não-ortodoxos, continuam a espezinhar inconscientemente os direitos humanos e a liberdade de consciência das Testemunhas. Plenamente conscientes de que a sua fé e integridade pessoais estão sendo atacadas, as Testemunhas de Jeová estão determinadas a manter as suas convicções.”

Perseguição pelos números na Rússia e na Crimeia desde a proibição de 2017

  • Mais de 2,090 casas de Testemunhas de Jeová invadidas 
  • 802 homens e mulheres foram acusados ​​criminalmente por suas crenças cristãs
  • 421 passaram algum tempo atrás das grades (incluindo 131 homens e mulheres atualmente presos)
  • 8 anos * é a pena máxima de prisão, acima de 6 anos [Dennis Christensen foi o primeiro a ser condenado (2019) e sentenciado à prisão]
  • Mais de 500 homens e mulheres foram adicionados à lista federal de extremistas/terroristas da Rússia desde a proibição

Em comparação:

  • De acordo com o Artigo 111, Parte 1 do Código Penal da Federação Russa, lesão corporal grave desenha um pena máxima de 8 anos
  • De acordo com o artigo 126, parte 1 do Código Penal, rapto leva a até 5 anos de prisão.
  • De acordo com o artigo 131, parte 1 do Código Penal, estupro é punível com 3 a 6 anos de prisão.

A proibição – Perguntas frequentes

como isso tudo começou?

A Lei Federal da Rússia “Sobre o Combate à Actividade Extremista” (N.º 114-FZ), foi adoptada em 2002, em parte para abordar preocupações sobre o terrorismo. No entanto, a Rússia alterou a lei em 2006, 2007 e 2008 para que se estendesse “muito além de quaisquer receios de extremismo ligados ao terrorismo”, de acordo com o artigo “A lei russa sobre extremismo viola os direitos humanos," publicado em The Moscow Times.

A lei "simplesmente aproveita o vocabulário “terrorista” que se tornou comum internacionalmente desde o ataque de 9 de Setembro às Torres Gémeas de Nova Iorque, e utiliza-o para descrever grupos religiosos indesejáveis ​​em toda a Rússia.”, explica Derek H. Davis, ex-diretor do Instituto JM Dawson de Estudos Igreja-Estado da Universidade Baylor. Por isso, "o rótulo de 'extremista' tem sido usado de forma injusta e desproporcional contra as Testemunhas de Jeová”, diz Davis.

No início dos anos 2000, as autoridades russas começaram a proibir dezenas de publicações bíblicas das Testemunhas de Jeová como “extremistas”. As autoridades então incriminaram as Testemunhas (ver link1link2) plantando publicações proibidas nos locais de culto das Testemunhas de Jeová.

Logo, o site oficial das Testemunhas de Jeová, jw.org, foi banido, e carregamentos de Bíblias foram detidos. Esta campanha escalou para a proibição nacional das Testemunhas de Jeová em Abril de 2017. Posteriormente, dezenas de milhões de dólares de propriedades religiosas das Testemunhas foram confiscado.

As coisas pioraram?

Sim. A Rússia está proferindo algumas das sentenças de prisão mais severas desde a proibição de 2017. Por exemplo, em 29 de fevereiro de 2024, Aleksandr Chagan, 52 anos, foi condenado a oito anos de prisão, uma punição normalmente reservada para aqueles que infligem lesões corporais graves. Chagan é a sexta Testemunha a receber uma sentença tão dura simplesmente pela prática pacífica das suas crenças cristãs. Em 1º de abril de 2024, 128 Testemunhas de Jeová estavam presas na Rússia.

Também vimos picos em ataques domiciliares. Por exemplo, houve 183 casas de Testemunhas de Jeová invadidas em 2023, com uma média de 15.25 casas por mês. Houve um aumento em fevereiro de 2024, com 21 ataques relatados.

"Normalmente, os ataques domiciliares são conduzidos por oficiais armados para combate mortal”, diz Jarrod Lopes, porta-voz das Testemunhas de Jeová. “As Testemunhas são frequentemente arrastadas para fora da cama e não estão totalmente vestidas, enquanto os policiais registram tudo com arrogância. Imagens de vídeo ** desses ataques ridículos estão em toda a internet e nas redes sociais. A polícia local e os responsáveis ​​do FSB querem fazer um espectáculo teatral como se estivessem a arriscar as suas vidas lutando contra extremistas perigosos. É uma charada absurda, com consequências terríveis! Durante as batidas ou durante os interrogatórios, algumas Testemunhas de Jeová foram brutalmente espancadas ou torturadas. Como você pode imaginar, isso nunca é registrado. Contudo, as Testemunhas de Jeová não ficam surpresas nem intimidadas pela perseguição sistemática da Rússia. Está bem documentado na história da Rússia, da Alemanha nazista, bem como de outros países, que a fé das Testemunhas sempre sobreviveu ao regime perseguidor. Esperamos que a história se repita."

**ver metragem no site oficial do estado

Repressão soviética às Testemunhas de Jeová | Operação Norte

Este mês marca o 73rd aniversário da “Operação Norte” — a maior deportação em massa de um grupo religioso na história da URSS — na qual milhares de Testemunhas de Jeová foram deportadas para a Sibéria.

Em Abril de 1951, cerca de 10,000 Testemunhas de Jeová e os seus filhos de seis repúblicas soviéticas (Bielo-Rússia, Estónia, Letónia, Lituânia, Moldávia e Ucrânia) foram essencialmente raptados quando as autoridades os deportaram em comboios abarrotados para a paisagem congelada e desolada da Sibéria. Esta deportação em massa foi chamada de “Operação Norte. "

Em apenas dois dias, as casas das Testemunhas de Jeová foram confiscadas e os aderentes pacíficos foram banidos para povoações remotas na Sibéria. Muitas Testemunhas foram obrigadas a trabalhar em condições perigosas e difíceis. Eles sofreram desnutrição, doenças e traumas mentais e emocionais por terem sido separados de suas famílias. A deportação forçada também resultou na morte de algumas Testemunhas de Jeová.

Muitas Testemunhas foram finalmente libertadas do exílio em 1965, mas as suas propriedades confiscadas nunca foram devolvidas.

Apesar da tentativa do governo de eliminar cerca de 10,000 Testemunhas de Jeová da região, “a Operação Norte não atingiu o seu objectivo”, segundo o Dr. Nicolae Fustei, investigador científico coordenador do Instituto de História da Moldávia. “A organização das Testemunhas de Jeová não foi destruída, e os seus membros não pararam de promover a sua fé, mas, em vez disso, começaram a fazê-lo com ainda mais ousadia.”

Após a queda do regime soviético, o número de Testemunhas de Jeová disparou.

Crescimento exponencial

Em junho de 1992, as Testemunhas organizaram uma reunião em grande escala convenção Internacional na Rússia, em São Petersburgo. Cerca de 29,000 mil pessoas da antiga União Soviética compareceram, juntamente com milhares de delegados de todo o mundo.

A maioria das Testemunhas de Jeová deportadas durante a Operação Norte eram da Ucrânia — mais de 8,000, provenientes de 370 colonatos. No entanto, de 6 a 8 de julho de 2018, as Testemunhas de Jeová na Ucrânia acolheram milhares de pessoas para outra grande convenção realizado em Lviv, Ucrânia. Mais de 3,300 delegados de nove países viajaram para a Ucrânia para o programa, que apresentava apropriadamente o tema “Seja Corajoso”! Hoje, há mais de 109,300 Testemunhas de Jeová na Ucrânia.

Visite aqui para relatos sobre o impacto da perseguição da Rússia sobre as Testemunhas de Jeová.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -