17.7 C
Bruxelas
Sábado, Maio 25, 2024
InstituiçõesNações UnidasHumanitários envolvidos na entrega de ajuda 'dançam' para evitar a fome em Gaza

Humanitários envolvidos na entrega de ajuda 'dançam' para evitar a fome em Gaza

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

Andrea de Domenico falava por videoconferência com jornalistas em Nova Iorque, informando-os sobre os acontecimentos na Faixa de Gaza e na Cisjordânia.

Ele disse que embora os humanitários acolham os recentes compromissos israelenses para melhorar a facilitação da ajuda em Gaza, “estamos lidando com essa dança onde damos um passo para frente, dois passos para trás; ou dois passos para frente e um para trás, o que nos deixa basicamente no mesmo ponto”. 

Missões do Norte negadas 

Entre 6 e 12 de Abril, 41 por cento dos pedidos humanitários ao norte foram negados, disse ele. Um comboio da ONU também ficou sob fogo cruzado enquanto estava perto de um posto de controle durante o mesmo período. 

Embora os humanitários e a comunidade internacional estejam a fazer todos os esforços possíveis para apoiar as pessoas dentro de Gaza, “a realidade é que há muito pouco que possamos trazer…para combater o deslocamento e lidar com a fome iminente”. 

De Domenico abordou a devastação geral em Gaza desde o início das hostilidades após os ataques brutais do Hamas contra Israel em 7 de Outubro de 2023. 

Todas as universidades destruídas 

"O a grande maioria das escolas foi destruída e não há uma única universidade em Gaza. Levará anos para trazer os alunos de volta à escola, e você pode imaginar quais são as implicações disso”, disse ele. 

O conflito também assistiu a operações militares “realmente muito problemáticas” em hospitais, como a recente ofensiva de duas semanas que deixou o Hospital Al-Shifa “completamente inoperante”. As equipes da ONU estão agora ajudando famílias na identificação de restos de cadáveres encontrados enterrados em sepulturas dentro das instalações. 

Ele disse que “a incerteza é uma realidade diária para as pessoas em Gaza”, onde as famílias foram deslocadas várias vezes. Milhares de palestinos migraram para a estrada costeira há dois dias, após rumores de que Israel permitiria o retorno de pessoas para o norte. 

Entretanto, o envolvimento com Israel continua, inclusive no sentido da abertura de uma passagem fronteiriça para o norte de Gaza. 

“Vimos algum progresso nisso”, disse ele. “Ainda faltam alguns testes. É claro que é muito sensível, como podem imaginar, por parte do público israelita, e também há desafios logísticos a enfrentar”, devido ao enorme nível de destruição no norte.  

violência na Cisjordânia 

Voltando-se para a Cisjordânia, ele disse que uma nova onda de violência entre colonos eclodiu na sexta-feira passada, após a descoberta do corpo de um menino israelense que havia desaparecido. 

Foram realizados ataques simultâneos contra 17 aldeias e três palestinianos foram mortos e muitos mais ficaram feridos. A ONU contabilizou 21 casas completamente queimadas, 30 carros e infraestruturas agrícolas, e 86 pessoas deslocadas

“Houve o uso de munição real e dezenas de animais foram mortos e centenas roubados. E as forças israelenses, em alguns casos, e os relatos que coletamos no terreno, estavam de alguma forma protegendo os agressores ou em alguns casos participando do ataque", Disse ele. 

Uma situação ‘preocupante’ 

De Domenico disse que o desenvolvimento é “bastante preocupante… porque está consolidando uma tendência que tem sido muito, muito intensa depois de Outubro”.   

Ele disse que ocorreram 781 ataques desde então, ou mais de quatro por dia, e o recém-nomeado primeiro-ministro palestino solicitou apoio internacional para evitar que a situação se deteriorasse. 

A ONU também contou 114 novas barreiras erguidas na Cisjordânia desde 7 de Outubro, incluindo postos de controle, bloqueios e portões de estradas “o que está restringindo a capacidade dos palestinos de se movimentarem a tal ponto que alguns de nossos colegas não comparecem ao escritório há meses”. 

As restrições tiveram um impacto nos meios de subsistência e também deslocaram mais de 200 famílias palestinianas, cerca de 1,300 pessoas, na sua maioria famílias de pastores.  

Novo apelo 

Na quarta-feira, humanitários anunciarão um apelo relâmpago de US$ 2.8 bilhões para apoiar cerca de três milhões de pessoas em toda a Cisjordânia e Gaza até ao final do ano, com 90 por cento do financiamento destinado ao enclave. 

 Ele disse que o pedido original era de US$ 4 bilhões, “mas considerando a capacidade limitada de entrega e o espaço que temos para fazê-lo, realmente nos concentramos na mais alta prioridade”. 

Link Fonte

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -