12.8 C
Bruxelas
Sábado, Maio 18, 2024
ReligiãoCristianismoO ministro do Interior da Estónia propôs que o Patriarcado de Moscovo fosse declarado terrorista...

O ministro do Interior da Estônia propôs que o Patriarcado de Moscou fosse declarado uma organização terrorista

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

O Ministro do Interior da Estónia e líder do Partido Social Democrata, Lauri Laanemets, pretende propor que o Patriarcado de Moscovo seja reconhecido como uma organização terrorista e, portanto, proibido de operar na Estónia.

O governante fez tal declaração na noite de quinta-feira no programa “Primeiro Estúdio” do canal de TV ETV. Segundo o Ministro, com base na experiência do Ministério da Administração Interna e na avaliação da Polícia de Segurança que acaba de receber, ele não tem outra escolha senão tomar ele próprio medidas para cortar os laços entre a Igreja Ortodoxa Estónia e o Patriarca de Moscovo .

“Dado o contexto disponível, eu, como Ministro da Administração Interna, não tenho escolha senão propor que o Patriarcado de Moscovo seja declarado terrorista e apoie o terrorismo nas suas atividades. Como resultado, o Ministro do Interior poderá recorrer a tribunal e propor o encerramento da actividade da organização eclesial que aqui opera. Isto não afetará os paroquianos, não significa que as igrejas serão fechadas, mas significa que os laços com Moscovo serão cortados”, disse o ministro.

“Temos que perceber que hoje o Patriarcado de Moscovo está subordinado a Vladimir Putin, que lidera essencialmente a actividade terrorista no mundo”, sublinhou o político.

De acordo com Laanemets, nos últimos dois anos, as autoridades policiais tiveram que chamar várias vezes representantes da Igreja Ortodoxa Estónia para o MP devido a questões de segurança. No entanto, ele acrescentou que a recente declaração do Conselho Mundial do Povo Russo sob os auspícios da Igreja Ortodoxa Russa e do Patr. Cyril, que a guerra da Rússia contra a Ucrânia é “santa”, elevou a situação a um novo nível. “Se traçarmos um paralelo, o patriarca e o patriarcado que agora operam em Moscovo não são diferentes dos terroristas islâmicos que afirmam estar a travar uma 'guerra santa' contra o mundo ocidental e os seus valores”, observou o ministro.

O deputado já reagiu à declaração de Laanemetz, dizendo que “os tempos sombrios das guerras religiosas e da caça às bruxas regressaram”. “É óbvio para qualquer pessoa sã que o Patriarcado de Moscovo não se envolve em atividades terroristas”, disse Maria Zakharova, porta-voz do Kremlin.

Ao mesmo tempo, na Rússia, a acusação de actividade terrorista ou de apoio ao terrorismo é um método de repressão política amplamente utilizado. O diácono Andrey Kuraev lembra que as Testemunhas de Jeová banidas na Rússia são acusadas de atividades terroristas, assim como centenas de pessoas que expressaram publicamente pesar pela morte de Navalny. “Todos os dias na Rússia há notícias de repressão contra pessoas que qualquer pessoa sã sabe que não estão envolvidas em atividades terroristas. Mas o Patriarcado de Moscou não ficou entusiasmado com isso”, escreveu ele em seu blog.

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -