12.5 C
Bruxelas
Thursday, May 30, 2024
NotíciasJá existe o primeiro medicamento que retarda a doença de Alzheimer, mas por que os médicos...

Já existe o primeiro medicamento que retarda a doença de Alzheimer, mas por que os médicos estão céticos?

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Central de notícias
Central de notíciashttps://europeantimes.news
The European Times Notícias visa cobrir notícias importantes para aumentar a conscientização dos cidadãos em toda a Europa geográfica.

Nove meses após sua introdução nos EUA, o medicamento para Alzheimer da Eisai e da Biogen, Leqembi, é encontrando resistência significativa na sua adoção generalizada, em grande parte devido ao ceticismo entre alguns médicos sobre a eficácia do tratamento desta doença degenerativa do cérebro.

Apesar de ser o primeiro medicamento que comprovadamente retarda a progressão da doença de Alzheimer, as dúvidas arraigadas entre os prestadores de cuidados de saúde sobre o valor do tratamento da doença estão a revelar-se um grande obstáculo.

Os especialistas em Alzheimer inicialmente esperavam desafios relacionados ao exigente protocolo de Leqembi, que inclui testes de diagnóstico adicionais, infusões bimestrais e exames cerebrais regulares para monitorar efeitos colaterais potencialmente graves. Na verdade, estes requisitos contribuíram para a lenta aceitação do medicamento desde a sua aprovação pela Food and Drug Administration dos EUA, como evidenciado por discussões com 20 neurologistas e geriatras em várias regiões dos EUA.

Segundo a Reuters, sete médicos revelaram a sua hesitação em prescrever Leqembi, citando dúvidas sobre a eficácia do medicamento, o seu custo e os riscos associados. Além disso, um grupo de seis especialistas líderes na área indicou que o “niilismo terapêutico” – a percepção de que a doença de Alzheimer é uma doença intransponível – está a ter um impacto mais significativo do que o esperado na limitação do entusiasmo entre médicos de cuidados primários, geriatras e neurologistas. Este cepticismo está a afectar a sua vontade de encaminhar os pacientes para especialistas em memória para um potencial tratamento com Leqembi.

Alguns especialistas dizem que a relutância entre alguns médicos pode resultar do longo período de dúvida que obscureceu a eficácia de atacar a proteína beta-amilóide do Alzheimer para retardar a progressão da doença. Antes dos resultados encorajadores do ensaio Leqembi, muitos na área médica consideravam esta direção de investigação infrutífera.

Outras preocupações foram levantadas por outros profissionais médicos em relação aos efeitos colaterais do Leqembi, como inchaço e sangramento cerebral, além dos custos envolvidos com o preço anual de US$ 26,500, ressonâncias magnéticas frequentes e infusões bimestrais.

Leqembi foi o primeiro medicamento direcionado à amiloide a receber aprovação total da FDA depois de demonstrar uma desaceleração de 27% no declínio cognitivo entre pacientes com Alzheimer em estágio inicial durante os ensaios clínicos. Apesar do objectivo inicial de tratar 10,000 americanos até ao final de Março, apenas alguns milhares iniciaram o tratamento até ao final de Janeiro, conforme relatado por Eisai, cuja porta-voz recusou fornecer números actualizados.

A adopção de novos medicamentos, mesmo aqueles que não exigem mudanças significativas na prática médica, é notoriamente lenta. A pesquisa mostrou que pode levar em média 17 anos para que a pesquisa clínica se torne uma prática rotineira. A doença de Alzheimer afeta mais de 6 milhões de americanos, mas menos da metade dos neurologistas dos EUA recomendam Leqembi aos seus pacientes, de acordo com uma pesquisa realizada em janeiro pela Life. ciências pesquisador de mercado Spherix Global Insights.

Escrito por Alius Noreika

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -