11.9 C
Bruxelas
Quinta-feira, abril 18, 2024
ReligiãoCristianismoO Cristianismo é muito inconveniente

O Cristianismo é muito inconveniente

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Autor convidado
Autor convidado
Autor convidado publica artigos de colaboradores de todo o mundo

By Natalya Trauberg (entrevista concedida no outono de 2008 dado a Elena Borisova e Darja Litvak), Perito nº 2009(19), 19 de maio de 657

Ser cristão significa renunciar a si mesmo em favor do próximo. Isto não tem nada a ver com uma denominação específica, mas depende apenas da escolha pessoal de uma pessoa e, portanto, é pouco provável que se torne um fenómeno de massa.

Natalia Trauberg é uma excelente tradutora de inglês, francês, espanhol, português e italiano. O homem que revelou ao leitor russo o pensador cristão Gilbert Chesterton, o apologista Clive Lewis, as peças evangélicas de Dorothy Sayers, o triste Graham Greene, o manso Wodehouse, os infantis Paul Gallico e Frances Burnett. Na Inglaterra, Trauberg era chamada de “Madame Chesterton”. Na Rússia, foi a freira Joanna, membro do conselho da Sociedade Bíblica e do conselho editorial da revista “Literatura Estrangeira”, transmitida nas rádios “Sofia” e “Radonezh”, lecionou no Instituto Bíblico-Teológico de São ... Apóstolo André.

Natalia Leonidovna adorava falar sobre o que Chesterton chamava de “simplesmente cristianismo”: não sobre recuar na “piedade dos santos padres”, mas sobre a vida cristã e os sentimentos cristãos aqui e agora, naquelas circunstâncias e no lugar onde estamos colocados. Sobre Chesterton e Sayers, ela escreveu uma vez: “Não havia nada neles que afastasse alguém da “vida religiosa” – nem gravidade, nem doçura, nem intolerância. E agora, quando o “fermento dos fariseus” volta a ganhar força, a sua voz é muito importante, terá muito mais peso”. Hoje estas palavras podem ser totalmente atribuídas a ela e à sua voz.

Acontece que Natalia Trauberg deu uma de suas últimas entrevistas à revista Expert.

Natalia Leonidovna, tendo como pano de fundo a crise espiritual vivida pela humanidade, muitos aguardam o renascimento do Cristianismo. Além disso, acredita-se que tudo começará na Rússia, pois é a Ortodoxia Russa que contém a plenitude do Cristianismo em todo o mundo. O que você acha disso?

Parece-me que falar sobre a coincidência da Rússia e da Ortodoxia é uma humilhação do Divino e do Eterno. E se começarmos a argumentar que o cristianismo russo é a coisa mais importante do mundo, então teremos grandes problemas que nos questionam como cristãos. Quanto aos avivamentos… Eles nunca aconteceram na história. Houve alguns apelos relativamente grandes. Certa vez, um certo número de pessoas pensava que nada de bom saía do mundo e seguiram Antônio, o Grande, para fugir para o deserto, embora Cristo, notamos, tenha passado apenas quarenta dias no deserto… No século XII, quando o mendicante monges vieram, muitos de repente Eles sentiram que sua vida estava de alguma forma em desacordo com o Evangelho, e começaram a estabelecer ilhas separadas, mosteiros, para que estivesse de acordo com o Evangelho. Então eles pensam novamente: algo está errado. E decidem tentar não no deserto, não num mosteiro, mas no mundo viver perto do Evangelho, mas isolados do mundo com votos. No entanto, isso não afeta muito a sociedade.

Na década de 70, na União Soviética, muita gente ia à igreja, sem falar nos anos 90. O que é isso senão uma tentativa de reavivamento?

Na década de 70, a intelectualidade, por assim dizer, veio para a igreja. E quando ela “se converteu”, pode-se notar que ela não só não mostrou qualidades cristãs, mas, como se viu, também deixou de mostrar qualidades intelectuais.

O que significa – inteligente?

Que reproduzem remotamente algo cristão: ser delicado, tolerante, não se agarrar, não arrancar a cabeça do outro, e assim por diante... O que é um modo de vida mundano? Isto é “eu quero”, “desejo”, o que no Evangelho se chama “luxúria”, “concupiscência”. E uma pessoa mundana simplesmente vive como quer. Então aqui está. No início dos anos 70, várias pessoas que leram Berdyaev ou Averintsev começaram a frequentar a igreja. Mas o que você acha? Eles se comportam como antes, como querem: afastando a multidão, afastando todo mundo. Eles quase despedaçaram Averintsev em sua primeira palestra, embora nesta palestra ele fale sobre coisas simples do evangelho: mansidão e paciência. E eles, afastando-se: “Eu! Quero um pedaço de Averintsev!” Claro, você pode perceber tudo isso e se arrepender. Mas quantas pessoas você já viu que se arrependeram não apenas por beber ou cometer adultério? Arrepender-se do adultério é bem-vindo, este é o único pecado que eles lembram e perceberam, o que, no entanto, não os impede de deixar a esposa mais tarde… E que um pecado muito maior é ser orgulhoso, importante, intolerante e seco com as pessoas , para assustar, para ser rude…

Parece que o Evangelho também fala muito estritamente sobre o adultério dos cônjuges?

Já foi dito. Mas nem todo o Evangelho é dedicado a isso. Há uma conversa incrível em que os apóstolos não conseguem aceitar as palavras de Cristo de que dois deveriam se tornar uma só carne. Eles perguntam: como isso é possível? Isso é impossível para os humanos? E o Salvador revela-lhes este segredo, diz que o verdadeiro casamento é uma união absoluta, e acrescenta com muita misericórdia: “Quem pode acomodar, que acomode”. Ou seja, quem puder entender entenderá. Então eles viraram tudo de cabeça para baixo e até criaram uma lei nos países católicos proibindo o divórcio. Mas tente fazer uma lei que não possa gritar. Mas Cristo fala sobre isso muito antes: “Aquele que se ira contra seu irmão em vão estará sujeito a julgamento”.

E se não for em vão, mas direto ao ponto?

Não sou um bom estudioso da Bíblia, mas tenho certeza de que a palavra “em vão” aqui é uma interpolação. Cristo não o pronunciou. Geralmente elimina todo o problema, porque quem fica com raiva e grita tem certeza de que não está fazendo isso em vão. Mas é dito que se “seu irmão pecar contra você, repreenda-o somente entre você e ele”. Sozinho. Educadamente e com cuidado, como você gostaria de ser exposto. E se a pessoa não ouviu, não quis ouvir, “...então pega um ou dois irmãos” e fala com ele novamente. E, finalmente, se ele não os ouviu, então ele será como um “pagão e publicano” para você.

Ou seja, como inimigo?

Não. Isso significa: deixe-o ser como uma pessoa que não entende esse tipo de conversa. E então você se afasta e dá espaço a Deus. Esta frase – “abrir espaço para Deus” – é repetida nas Escrituras com frequência invejável. Mas quantas pessoas você viu que ouviram essas palavras? Quantas pessoas vimos que chegaram à igreja e perceberam: “Estou vazio, não tenho nada além de estupidez, ostentação, desejos e vontade de me afirmar… Senhor, como você tolera isso? Ajude-me a melhorar!” Afinal, a essência do Cristianismo é virar toda a pessoa de cabeça para baixo. Existe uma palavra que vem do grego “metanoia” – uma mudança de pensamento. Quando tudo o que é considerado importante no mundo – sorte, talento, riqueza, as boas qualidades – deixa de ter valor. Qualquer psicólogo lhe dirá: acredite em você mesmo. E na igreja você não é ninguém. Ninguém, mas muito querido. Aí a pessoa, como um filho pródigo, volta-se para o seu pai – para Deus. Ele vem até ele para receber perdão e algum tipo de presença, pelo menos no quintal de seu pai. Seu pai, pobre de espírito, curva-se diante dele, chora e o deixa seguir em frente.

Então, qual é o significado da expressão “pobre de espírito”?

Bem, sim. Todo mundo pensa: como pode ser isso? Mas não importa como você interprete, tudo se resume ao fato de que eles não têm nada. Uma pessoa mundana sempre tem algo: meu talento, minha bondade, minha coragem. Mas estes não têm nada: dependem de Deus para tudo. Eles se tornam como crianças. Mas não porque as crianças sejam criaturas lindas e puras, como afirmam alguns psicólogos, mas porque a criança está completamente indefesa. Ele não existe sem o pai, não poderá comer, não aprenderá a falar. E os pobres de espírito são assim. Vir ao Cristianismo significa que um certo número de pessoas viverá uma vida que é impossível do ponto de vista mundano. Claro, também acontecerá que uma pessoa continuará fazendo o que é típico para nós, patético, infeliz e engraçado. Ele pode ficar bêbado como um cavalo cinzento. Você pode se apaixonar na hora errada. Em geral, tudo o que há de humano nele permanecerá. Mas ele terá que contar suas ações e pensamentos com base em Cristo. E se uma pessoa aceitasse isso, abrisse não apenas seu coração, mas também sua mente, então ocorreria a conversão ao Cristianismo.

Partidarismo em vez de amor

A maioria dos cristãos sabe da existência de diferentes religiões, alguns estão interessados ​​nas diferenças canônicas. Isso importa para a vida diária de um cristão?

Eu acho que não. Caso contrário, quando viemos para a igreja, simplesmente viemos para uma nova instituição. Sim, é lindo, sim, há cantos maravilhosos ali. Mas é muito perigoso quando dizem: dizem, adoro tal e tal igreja, porque lá cantam bem… Seria melhor que ficassem calados, honestamente, porque Cristo nunca cantou em lado nenhum. Quando as pessoas vão à igreja, elas se encontram em uma instituição onde tudo é ao contrário.

Isto é ideal. E de fato?

Na verdade, isso é muito comum hoje em dia: o nosso é seu. Quem é mais legal – católicos ou ortodoxos? Ou talvez cismáticos. Seguidores do Padre Alexander Men ou do Padre Georgy Kochetkov. Tudo é dividido em pequenos lotes. Para alguns, a Rússia é um ícone de Cristo, para outros, pelo contrário, não é um ícone. Também é comum entre muitos de nós, não é? Comungei, saí para a rua e desprezo todos que não se filiaram à igreja. Mas fomos até aqueles a quem o Salvador nos enviou. Ele nos chamou não de escravos, mas de amigos. E se por uma questão de ideias, convicções e interesses começamos a espalhar podridão sobre aqueles que não vivem de acordo com a nossa “lei”, então não somos realmente cristãos. Ou há um artigo de Semyon Frank, onde ele fala sobre a beleza das igrejas ortodoxas: sim, vimos um mundo de uma beleza maravilhosa e o amamos muito, e percebemos que isso é a coisa mais importante do mundo, mas há pessoas ao nosso redor que não entendem isso. E existe o perigo de começarmos a combatê-los. E nós, infelizmente, estamos caminhando nessa direção. Por exemplo, a história do milagre do Fogo Sagrado. Pensar que nós, cristãos ortodoxos, somos os melhores, porque só para nós, na nossa Páscoa, aparece o Fogo Santo, e para todos os outros – porra, isso é incrível! Acontece que as pessoas nascidas, digamos, na França, onde existe o catolicismo, são rejeitadas por Deus. De Deus, que diz que um cristão deve, como o sol para o homem, brilhar tanto para o certo quanto para o errado! O que tudo isso tem a ver com as Boas Novas? E o que é isso senão jogos de festa?

Essencialmente, isso é hipocrisia?

Sim. Mas se Cristo não perdoou ninguém, então apenas os “hipócritas”, isto é, os fariseus. Não se pode construir uma vida segundo o Evangelho usando a lei: não cabe, isso não é geometria euclidiana. E também nos deleitamos no poder de Deus. Mas por que? Existem muitas dessas religiões. Qualquer religião pagã admira o poder de Deus, a magia. Alexander Schmemann escreve, sim, talvez já tenham escrito antes, que o Cristianismo não é uma religião, mas uma ligação pessoal com Cristo. Mas o que está acontecendo? Aqui estão jovens, sorrindo, conversando, comungando… E atrás deles estão mulheres idosas com pauzinhos, após cirurgia. E nem ocorreria aos rapazes sentir falta das avós. E isto logo após a liturgia, onde mais uma vez tudo foi dito! Não fui comungar várias vezes por raiva de tudo isso. E então na rádio “Radonezh”, que geralmente acontece aos domingos, ela disse aos ouvintes: “Gente, hoje não comungei por sua causa”. Porque você olha, e já na sua alma está acontecendo alguma coisa que, não só para comungar, mas também para ter vergonha de olhar para a igreja. A comunhão não é um ato mágico. Esta é a Última Ceia, e se você veio celebrar com Ele a agora eternamente celebrada noite antes de Sua morte, então tente ouvir pelo menos uma coisa que Cristo acrescentou ao Antigo Testamento e que virou tudo de cabeça para baixo: “...amem uns aos outros , como eu te amei… »

A frase comumente citada é “Não faça o que você não quer fazer”.

Sim, o amor por todas as pessoas boas significa esta regra de ouro. Bastante razoável: não faça isso e você será salvo. A matriz do Antigo Testamento, que mais tarde foi assumida pelo Islã. E o amor cristão é uma pena dolorosa. Você pode não gostar nem um pouco da pessoa. Ele pode ser absolutamente nojento para você. Mas você entende que, além de Deus, ele, assim como você, não tem proteção. Quantas vezes vemos tanta piedade mesmo em nosso ambiente eclesial? Infelizmente, mesmo este ambiente no nosso país ainda é muitas vezes desagradável. Até a própria palavra “amor” já está comprometida nisso. Ameaçando as meninas com o fogo do inferno por fazerem aborto, o padre diz: “E o principal é o amor…” Ao ouvir isso, mesmo com total não resistência, surge a vontade de pegar um bom clube e…

O aborto não é um mal?

Mal. Mas são coisas profundamente privadas. E se a principal atividade cristã é a luta contra o aborto, então há algum encanto nisso – no sentido original da palavra. Suponha que alguma garota desejasse amor, como qualquer pessoa normal, e se encontrasse em uma situação em que fosse difícil dar à luz. E o padre diz a ela que se ela morrer durante o aborto, ela irá imediatamente para o inferno. E ela bate os pés e grita: “Não irei a nenhuma de suas igrejas!” E ele está fazendo a coisa certa ao pisar. Bem, vamos, cristão, proíba o aborto e assuste as meninas que ouviram que não há nada melhor do que se apaixonar e que você não pode recusar ninguém porque é antiquado, ou anti-cristão, ou qualquer que seja. É terrível, mas os católicos têm esses hábitos...

E os ortodoxos?

Temos mais do outro lado: perguntam se é possível manter cachorros em uma casa onde estão pendurados ícones, e um dos principais temas é o jejum. Algumas coisas pagãs estranhas. Lembro-me de quando eu estava começando a transmitir em uma pequena emissora de rádio de uma igreja, eles me fizeram uma pergunta: “Por favor, diga-me, é um grande pecado comer antes da estrela na véspera de Natal?” Quase comecei a chorar no ar e falei por duas horas sobre o que estamos falando agora.

Negue a si mesmo

Então, o que podemos fazer aqui?

Mas não há nada de tão assustador nisso. Quando não tivemos o conceito de pecado por tanto tempo, e então começamos a aceitar qualquer coisa como pecado, exceto o amor próprio, “a capacidade de viver”, a obstinação, a confiança em nossa justiça e perseverança, precisamos começar tudo de novo. Muitos tiveram que recomeçar. E quem tem ouvidos para ouvir, ouça. Aqui, por exemplo, está o Beato Agostinho, um grande santo. Ele era inteligente, era famoso, tinha uma carreira maravilhosa, se a medirmos em nossos termos. Mas a vida ficou difícil para ele, o que é muito típico.

O que significa: tornou-se difícil para Agostinho viver?

É quando você começa a perceber que algo está errado. Hoje em dia as pessoas aliviam esse sentimento indo a uma bela igreja e ouvindo belos cantos. É verdade que na maioria das vezes eles começam a odiar tudo ou a se tornarem hipócritas, nunca tendo ouvido o que Cristo disse. Mas este não foi o caso de Agostinho. Um amigo veio até ele e disse: “Olha, Agostinho, embora sejamos cientistas, vivemos como dois tolos. Procuramos sabedoria e nem tudo está lá.” Agostinho ficou muito entusiasmado e correu para o jardim. E ouvi de algum lugar: “Pegue e leia!” Parece que esse menino estava gritando com alguém na rua. E Agostinho ouviu que era para ele. Ele correu para a sala e abriu o Evangelho. E me deparei com a mensagem de Paulo, nas palavras: “Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não transformeis os cuidados da carne em concupiscências”. Frases simples: negue a si mesmo e tome a cruz, e não transforme as preocupações sobre si mesmo em seus desejos idiotas, e entenda que a lei mundana mais importante do mundo – fazer o que minha cabeça ou, não sei o que mais , quer – não é para um cristão, não importa. Estas palavras mudaram completamente Agostinho.

Tudo parece simples. Mas por que uma pessoa raramente consegue negar a si mesma?

O cristianismo é realmente muito desconfortável. Bem, digamos que eles deixam alguém ser o chefe, e ele deve pensar que é muito difícil se comportar como um cristão em tal situação. Quanta sabedoria ele precisa! Quanta bondade é necessária! Ele deve pensar em cada um como se fosse ele mesmo e, idealmente, como Cristo pensa nas pessoas. Ele deve se colocar no lugar de todos que andam sob ele e cuidar dele. Ou, lembro-me, perguntaram por que, quando tive essa oportunidade, não emigrei. Eu respondi: “Porque isso mataria meus pais. Eles não ousariam partir e permaneceriam aqui, velhos, doentes e solitários.” E temos uma escolha semelhante em cada etapa. Por exemplo, alguém de cima inundou seu apartamento e não tem dinheiro para compensar você pelos reparos… Você pode processá-lo ou começar a discutir com ele e, assim, envenenar sua vida. Ou você pode deixar tudo como está e então, se surgir a oportunidade, fazer você mesmo os reparos. Você também pode abrir mão da sua vez… Fique quieto, sem importância… Não se ofenda… Coisas muito simples. E o milagre do renascimento acontecerá gradualmente. Deus honrou o homem com liberdade, e somente nós mesmos, por nossa própria vontade, podemos quebrar. E então Cristo fará tudo. Precisamos apenas, como escreveu Lewis, de não ter medo de abrir a armadura na qual estamos acorrentados e deixá-Lo entrar em nossos corações. Só esta tentativa muda completamente a vida e lhe confere valor, significado e alegria. E quando o apóstolo Paulo disse “Alegrai-vos sempre!”, ele quis dizer exatamente essa alegria – nas alturas mais elevadas do espírito.

Ele também disse “chorai com os que choram”…

O fato é que só quem sabe chorar pode se alegrar. Compartilha suas tristezas e tristezas com quem chora e não foge do sofrimento. Cristo diz que aqueles que choram são bem-aventurados. Abençoado significa feliz e ter toda a plenitude da vida. E Suas promessas não são celestiais, mas terrenas. Sim, o sofrimento é terrível. No entanto, quando as pessoas sofrem, Cristo oferece: “Vinde a mim, todos os que sofreis e estais oprimidos, eu vos aliviarei”. Mas com uma condição: tomem sobre vocês o Meu jugo e encontrarão descanso para suas almas. E a pessoa realmente encontra a paz. Além disso, há uma paz profunda, e não é como se ele andasse por aí como se estivesse congelado: ele apenas começa a viver não na vaidade, nem na desordem. E então o estado do Reino de Deus chega aqui e agora. E talvez, tendo aprendido isso, possamos ajudar outras pessoas também. E aqui está uma coisa muito importante. O cristianismo não é um meio de salvação. Cristão não é aquele que está sendo salvo, mas aquele que salva.

Ou seja, ele deveria pregar e ajudar o próximo?

Não somente. Mais importante ainda, ele introduz no mundo um pequeno elemento de um tipo diferente de vida. Minha madrinha, minha babá, introduziu esse elemento. E nunca poderei esquecer que vi uma pessoa assim e a conheci. Ela estava muito próxima do Evangelho. Uma serva sem um tostão, ela viveu como uma cristã perfeita. Ela nunca fez mal a ninguém, nunca disse uma palavra ofensiva. Só me lembro de uma vez… Eu ainda era pequeno, meus pais iam para algum lugar, e eu escrevia cartas para eles todos os dias, conforme combinamos. E uma mulher que estava nos visitando olha para isso e diz: “Bom, como lidar com o senso de dever de uma criança? Nunca, querido, faça algo que você não queira fazer. E você será uma pessoa feliz. E então minha babá empalideceu e disse: “Por favor, nos perdoe. Você tem sua própria casa, nós temos a nossa.” Então, uma vez em toda a minha vida ouvi uma palavra dura dela.

Sua família, seus pais eram diferentes?

Minha avó, Marya Petrovna, também nunca levantou a voz. Ela deixou a escola onde trabalhava como professora porque lá tinha que falar coisas anti-religiosas. Enquanto o avô estava vivo, ela andava ao redor dele como uma verdadeira dama: de chapéu e casaco formal. E então ela foi morar conosco. E não foi fácil para ela, uma pessoa muito dura, aparentemente por tipo, conosco, gente descuidada. Aqui está a minha mãe, a filha dela, aqui está o marido solteiro, realizador de cinema e boémio em geral… A minha avó nunca disse que ele era judeu, porque um cristão normal não pode ser anti-semita. E quanto ela sofreu comigo! Eu, um cretino de dezessete anos que não fui à escola, fui para a universidade e lá quase enlouqueci de alegria, de sucesso, de me apaixonar… E se você lembra de todas as besteiras que fiz! Me apaixonei e roubei a aliança do meu avô, acreditando que os grandes sentimentos que senti me davam o direito de encher essa aliança com algodão, colocar no dedo e andar com ela. A babá provavelmente teria dito mais baixinho, mas a avó teria dito asperamente: “Não faça isso. Absurdo."

E isso é difícil?

Para ela – muito. E minha mãe, para que eu me vestisse de maneira mais elegante do que pensei ser possível depois da criação de minha avó e de minha babá, poderia bater minha cabeça na parede para me provar algo. Mas ela, atormentada pela vida boêmia, também alheia a ela pela formação, que, no entanto, foi obrigada a levar, não pode ser julgada. E ela sempre acreditou que deveria me dissuadir da fé, pois eu estava me arruinando. Até Messinga me convidou para me trazer de volta aos meus sentidos. Não, ela não lutou contra o cristianismo, apenas entendeu que seria difícil para a filha. E não porque vivíamos na União Soviética, onde declararam que Deus não existia. Em qualquer século, os pais tentam dissuadir os filhos do cristianismo.

Mesmo em famílias cristãs?

Bem, por exemplo, Antônio, o Grande, São Teodósio, Catarina de Sena, Francisco de Assis… Todas as quatro histórias têm pais cristãos. E tudo sobre o fato de que todas as crianças são pessoas como pessoas, e meu filho é um cretino. Teodósio não quer se vestir tão bem quanto sua turma deveria e dedica muita energia e tempo às boas ações. Catherine cuida dos doentes e pobres todos os dias, dormindo uma hora por dia, em vez de sair com os amigos e cuidar da casa. Francisco recusa uma vida alegre e a herança do pai… Tais coisas sempre foram consideradas anormais. Pois bem, agora que os conceitos de “sucesso”, “carreira”, “sorte” praticamente se tornaram uma medida de felicidade, ainda mais. A atração do mundo é muito forte. Isso quase nunca acontece: “fique de cabeça para baixo”, segundo Chesterton, e viva assim.

Qual é o sentido de tudo isso se apenas alguns se tornam cristãos?

Mas nada de massivo foi previsto. Não foi por acaso que Cristo pronunciou tais palavras: “fermento”, “sal”. Medidas tão minúsculas. Mas eles mudam tudo, mudam toda a sua vida. Manter a paz. Eles sustentam qualquer família, mesmo aquela em que chegaram à desgraça absoluta: em algum lugar, alguém, com algum tipo de oração, com algum tipo de façanha. Aí se abre todo um mundo desse estranho à primeira vista: quando for fácil, faça, quando for difícil, fale, quando for impossível, reze. E funciona.

E também a humildade, com a qual só se pode vencer o mal que triunfa ao redor.

Ilustração: Tipo iconográfico “Curando um sonâmbulo demoníaco”

Fonte: http://trauberg.com/chats/hristianstvo-e-to-ochen-neudobno/

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -