19.2 C
Bruxelas
Wednesday, May 29, 2024
ReligiãoCristianismoO Papa mais uma vez apelou à paz através de negociações

O Papa mais uma vez apelou à paz através de negociações

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Gastão de Persigny
Gastão de Persigny
Gaston de Persigny - Repórter da The European Times Notícias

Nunca devemos esquecer que a guerra leva invariavelmente à derrota, observou o Santo Padre

Na sua audiência geral semanal na Praça de São Pedro, o Papa Francisco apelou mais uma vez à paz negociada e condenou os conflitos sangrentos na Ucrânia e em Gaza, informou a Reuters. A agência observa que o papa interrompeu novamente as suas aparições públicas devido a problemas de saúde.

“Nunca devemos esquecer que a guerra leva invariavelmente à derrota, não podemos continuar a viver na guerra, devemos fazer todos os esforços para mediar, para negociar o fim da guerra, rezemos por isso”, disse o Santo Padre num breve discurso. declaração no final da audiência, na qual mencionou a Ucrânia “martirizada” e o conflito israelo-palestiniano.

Francis, de 87 anos, que tem problemas de mobilidade e vem sofrendo de resfriados e crises de bronquite nas últimas semanas, mais uma vez não leu a maior parte do discurso preparado para o público, observou a Reuters. Delegou esta tarefa a um assistente e disse aos fiéis que ainda era obrigado a limitar o seu discurso público.

No início deste mês, Francisco gerou controvérsia depois de ter dito numa entrevista à televisão pública suíça que a Ucrânia deveria “ter a coragem de agitar uma bandeira branca” e iniciar negociações com a Rússia.

O seu vice, o cardeal Pietro Parolin, especificou mais tarde que a Rússia deve primeiro parar a sua agressão, recorda a Reuters.

Foto ilustrativa: Caim e Abel

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -