3.1 C
Bruxelas
Quarta-feira, fevereiro 28, 2024
AméricaDiscurso de ódio e intolerância: o caso de uma escola de yoga filosófico (I)

Discurso de ódio e intolerância: o caso de uma escola de yoga filosófico (I)

Originalmente publicado em BitterWinter.org // O Relatório Anual do Departamento de Estado dos EUA sobre Liberdade Religiosa em todo o mundo e a Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) devem dar mais atenção ao discurso de ódio anti-religioso na Argentina.

AVISO LEGAL: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de responsabilidade de quem as expressa. Publicação em The European Times não significa automaticamente o endosso do ponto de vista, mas o direito de expressá-lo.

TRADUÇÕES DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Todos os artigos deste site são publicados em inglês. As versões traduzidas são feitas por meio de um processo automatizado conhecido como traduções neurais. Em caso de dúvida, consulte sempre o artigo original. Obrigado pela compreensão.

Willy Fautre
Willy Fautrehttps://www.hrwf.eu
Willy Fautré, antigo encarregado de missão no Gabinete do Ministério da Educação belga e no Parlamento belga. Ele é o diretor do Human Rights Without Frontiers (HRWF), uma ONG com sede em Bruxelas que fundou em dezembro de 1988. A sua organização defende os direitos humanos em geral, com especial enfoque nas minorias étnicas e religiosas, na liberdade de expressão, nos direitos das mulheres e nas pessoas LGBT. A HRWF é independente de qualquer movimento político e de qualquer religião. Fautré realizou missões de apuramento de factos sobre direitos humanos em mais de 25 países, incluindo em regiões perigosas como o Iraque, a Nicarágua sandinista ou os territórios maoístas do Nepal. Ele é professor em universidades na área de direitos humanos. Publicou muitos artigos em revistas universitárias sobre as relações entre o Estado e as religiões. É membro do Press Club de Bruxelas. É defensor dos direitos humanos na ONU, no Parlamento Europeu e na OSCE.

Originalmente publicado em BitterWinter.org // O Relatório Anual do Departamento de Estado dos EUA sobre Liberdade Religiosa em todo o mundo e a Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) devem dar mais atenção ao discurso de ódio anti-religioso na Argentina.

No dia 12 de agosto de 2022, à noite, cerca de sessenta pessoas na casa dos sessenta assistiam a uma tranquila aula de filosofia em uma cafeteria localizada no térreo de um prédio de dez andares na Avenida Estado de Israel, em um bairro de classe média. de Buenos Aires quando de repente o inferno começou.

Este artigo foi originalmente publicado pela Inverno amargo sob o título “Repressão anti-culto na Argentina 1. PROTEX e Pablo Salum” (17 de agosto de 2023)
 
Uma agência especial contra o tráfico humano coopera com um bizarro ativista anti-seita que considera até mesmo as freiras carmelitas como uma “seita”.

Policiais da SWAT totalmente armados liderados por PROTEX—uma agência estatal que lida com o tráfico de seres humanos, trabalho e exploração sexual de pessoas—quebrou a porta do local de encontro e entrou à força no prédio que era sede de uma escola de ioga, 25 apartamentos privados e escritórios profissionais de vários de seus membros . Eles subiram a todas as instalações e sem bater ou tocar as campainhas, abriram violentamente todas as portas à força, danificando-as gravemente.

Segundo denúncia de uma pessoa cujo nome não foi divulgado oficialmente, o fundador do Escola de Yoga de Buenos Aires (BAYS) recrutaram pessoas por meio de fraude para reduzi-las a uma situação de servidão e/ou exploração sexual. O demandante optou posteriormente por revelar seu nome e vangloriar-se de sua iniciativa em seu canal no YouTube, em suas redes sociais e na mídia em geral: Pablo Gaston Salum.

Em 2023, vários estudiosos de estudos religiosos foram convidados à Argentina para participar um painel em um evento internacional de direitos humanos co-organizado pelo governo e pela UNESCO. Eles aproveitaram a oportunidade para estudar o caso BAYS.

Human Rights Without Frontiers também investigou esse assunto e já publicou três artigos: Uma escola de ioga no olho de um ciclone de mídia e abuso policial - Nove mulheres processam uma instituição estatal que as chama de vítimas de abuso sexual - 85 felizth Aniversário, Sr. Percowicz.

Quem é Pablo Salum?

Pablo Gaston Salum, nascido em 1978, teve uma vida escolar e agitada. Em 1990 e 1991, enquanto morava com a mãe, seguidora de BAYS, deixou de frequentar as aulas e teve que repetir o 6th série de sua escola primária. Em 1992, após (segundo seu relato) espancar a mãe, foi acolhido pelo pai. Ele tinha então 14 anos e seu ensino fundamental ainda não havia terminado. Um ano depois, ele brigou com a madrasta e foi morar com a família de um amigo, mas às suas próprias custas. Depois de algum tempo, eles pediram que ele fosse embora.

Em 1995, voltou para a casa do pai que, após algum tempo e mais algumas brigas, o declarou foragido da polícia. Nesse ínterim, ele tentou continuar seus estudos em uma escola secundária, mas desistiu novamente. Ele voltou para a casa de sua mãe e continuou sua vida turbulenta com seus pais.

Em 1996, como não queria mais estudar nem trabalhar e era violento com a mãe, seu irmão mais velho, German Javier, ex-mas não descontente seguidor de BAYS, o levou para casa. Apesar de seu novo ambiente humano, sua violência não diminuiu e seu irmão German com outra pessoa apresentou uma queixa contra ele por ameaças de morte. Ele foi então detido pela polícia por dois dias. E Pablo Salum retomou sua vida nômade, ficando então com seu padrasto Carlos Mannina, um ex-mas não descontente membro do BAYS, já separado de sua mãe anos antes.

Nesse ínterim, seu irmão teve uma vida profissional de sucesso como diretor de uma imobiliária em Buenos Aires, e sua irmã trabalha no exterior há mais de dez anos como enfermeira depois de estudar nos Estados Unidos.

As fantasias e as mentiras de Pablo Salum

Pablo Salum afirma em seu Instagram perfil Pablogsalum ter fundado a Rede Freeminds (Red Librementes), uma associação de fato que não se sabe estar oficialmente registrada como associação cívica. Ele também se apresenta como um ativista de direitos humanos e “o criador da lei de assistência às vítimas e familiares de cultos coercivos”.

O site Celeknow. com, que entre outros assuntos diversos publica boatos sobre as mais diversas personalidades em destaque, apresenta-o como “um trabalhador que luta pelos direitos humanos e dos animais”, assim como “um assistente social” e “um ativista que luta contra cultos coercivos”.

Nada indica que ele tenha perfil de defensor de direitos humanos e nenhum outro site profissional além do seu.

Vangloriar-se nas redes sociais de supostas conquistas como “a criação de uma lei contra os cultos” parece mais uma megalomania do que uma realidade. Pablo Salum não é um legislador eleito pelo povo argentino. A modéstia é uma das principais características de um defensor dos direitos humanos. Ele não tem essa qualidade. Ele constantemente disfarça a realidade e mente abertamente sobre sua vida familiar para se apresentar como uma vítima, um sobrevivente de algo fictício e um cruzado anticulto, pois isso lhe dá oportunidades de ser entrevistado pela mídia.

Pablo Salum é apenas um blogueiro e influenciador que quer estar no centro das atenções, como também pode ser visto em seus vídeos. As autoridades argentinas que processam BAYS com base em suas declarações devem reconsiderar a confiabilidade e a relevância de sua fonte de informação a esse respeito.

Pablo Salum afirma ter deixado o chamado “culto BAYS” aos 14 anos, ao qual sua mãe e seu irmão e irmã mais velhos pertenciam e ainda estão sob seu controle. Na mídia argentina e em seus próprios vídeos, ele afirma ser um “sobrevivente”, ter perdido o controle de sua família – sua mãe, irmão e irmã – enquanto chora com um pathos enganoso por sua falta de contato com eles. Ele chega a declarar que eles foram “sequestrados” pelo “culto”. Com certeza ele é um bom comediante.

A realidade é muito diferente e é surpreendente que a maioria dos jornalistas argentinos não se preocupe em fazer a menor verificação sobre o que ele diz e afirma ser. 15 minutos vídeo preparado e fornecido a “Bitter Winter” por membros do BAYS (não envolvidos na investigação), ex-membros e parentes, revela evidências irrefutáveis ​​das invenções de Pablo Salum e silencia fatos perturbadores sobre suas relações conflituosas com sua família.

A mãe de Pablo Salum nunca mudou de endereço desde que o filho foi embora. Quanto ao irmão German e à irmã Andrea, tudo o que você precisava fazer para entrar em contato com eles era pesquisar seus nomes no Google. As declarações de Pablo Salum sobre eles são apenas mentiras.

imagem 2 editada Discurso de ódio e intolerância: o caso de uma escola de yoga filosófico (I)

Quando alguém tão estranho quanto Pablo Salum é convidado ao Senado argentino para falar sobre “seitas”, entendemos que a Argentina tem um problema. Do Facebook.

Salum apoia a ditadura da China contra minorias religiosas perseguidas

Na área da liberdade de religião ou crença, Pablo Salum certamente não é um ativista de direitos humanos. Como um livre pensador, ele é até hostil a tal liberdade.

Em maio de 2022, ele tomou partido do Partido Comunista Chinês (PCC) contra os praticantes do Falun Gong twittando “Lembre-se que o Falun Dafa é uma perigosa organização coercitiva #Secta de origem chinesa que está operando na Argentina e em outros países COM IMPUNIDADE, como visto neste foto. Seria bom se você alertasse o público.” A Anistia Internacional e a Human Rights Watch documentaram amplamente os casos de detenção ilegal e extração forçada de órgãos de milhares de praticantes do Falun Gong pelo governo chinês. Salum tomou uma direção oposta.

In um incidente recente envolvendo o Dalai Lama e um menino, Salum aproveitou a oportunidade para chame Sua Santidade “esse criminoso que quer ser chamado de Dalai Lama.” Ele ligou para o Budismo Tibetano ele lidera “uma seita envolvida em tráfico humano e pedofilia” e Budismo em geral como uma religião que esconde “doutrinas coercitivas obscuras” típicas de “cultos”.

Os discursos de ódio de Salum

image Discurso de ódio e intolerância: o caso de uma escola de yoga filosófico (I)

As freiras católicas carmelitas descalças são uma “seita” que “trafica” suas vítimas segundo Pablo Salum. Do Twitter.

De acordo com Salum, a Igreja Mórmon é uma culto coercitivo que encobre abusos sexuais. Quanto às Testemunhas de Jeová, ele considera seu movimento “uma organização terrorista”, o que é pior do que a acusação de Putin de “organização extremista”. Chama a atenção o número de Testemunhas de Jeová detidas por anos na Rússia, incluindo a Crimeia, por praticarem a sua fé em privado, mais de 130. Adventistas e até mesmo carmelitas católicas também são visados ​​por Salum.

Mesmo Maçonaria é qualificado por ele como extremamente perigoso no México.

image 1 Discurso de ódio e intolerância: o caso de uma escola de yoga filosófico (I)

Até mesmo a Maçonaria é considerada um “culto coercitivo” por Salum. Do Twitter.

*Artigos acadêmicos sobre o caso BAYS:

Por Susan Palmer: "De cultos a 'Cobayes': novas religiões como 'cobaias' para testar novas leis. O Caso da Escola de Yoga de Buenos Aires. "

Por Massimo Introvigne: "O Grande Susto do Culto na Argentina e a Escola de Yoga de Buenos Aires. "

Vídeo interessante para assistir:

- Propaganda -

Mais do autor

- CONTEÚDO EXCLUSIVO -local_img
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -local_img
- Propaganda -

Deve ler

Artigos Mais Recentes

- Propaganda -