2.8 C
Bruxelas
Sábado, janeiro 28, 2023

O avanço do sistema de justiça criminal no centro das segundas discussões temáticas sobre a implementação da Declaração de Quioto

IMPORTANTE: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de quem as declara e são de sua responsabilidade. A publicação no The European Times não significa automaticamente o endosso da opinião, mas o direito de expressá-la.

Central de notícias
Central de notíciashttps://www.europeantimes.news
O European Times News visa cobrir notícias importantes para aumentar a conscientização dos cidadãos em toda a Europa geográfica.

© UNODC

Salvaguardar os direitos das vítimas, proteger testemunhas e denunciantes e melhorar os processos de investigação criminal

Viena (Áustria), 7 de dezembro de 2022 - A Comissão de Prevenção ao Crime e Justiça Criminal (CCPCJ), principal órgão de formulação de políticas das Nações Unidas (ONU) sobre prevenção ao crime e justiça criminal, realizou sua segunda Discussões temáticas sobre a implementação da Declaração de Quioto de 5 a 7 de dezembro de 2022, em Viena e online.  

As discussões focaram Pilar II da Declaração de Kyoto sobre “Avanço do sistema de justiça criminal”, abrangendo os seguintes tópicos: 

  • Salvaguardar os direitos das vítimas, proteger testemunhas e denunciantes e melhorar os processos de investigação criminal; 
  • Melhorar as condições prisionais e reduzir a reincidência por meio da reabilitação e reintegração; e 
  • Integrar uma perspectiva de gênero nos sistemas de justiça criminal e abordar as vulnerabilidades de crianças e jovens em contato com o sistema de justiça criminal. 

Na série Declaração de Kyoto, adotado por consenso durante o décimo quarto Congresso das Nações Unidas sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal em março de 2021, os Estados expressaram seu esforço para tomar medidas para prevenir e abordar todas as formas de crime. Essas ações incluem o avanço da prevenção ao crime e do sistema de justiça criminal, promovendo o estado de direito, bem como a cooperação internacional e a assistência técnica. Os Estados apelaram à CCPCJ para adoptar políticas e medidas operacionais adequadas para dar seguimento à declaração. Paralelamente, a Assembleia Geral da ONU solicitou à CCPCJ a realização de discussões temáticas. 

As segundas discussões temáticas foram presididas pelo Embaixador Takeshi Hikihara do Japão, que também presidiu a CCPCJ em sua trigésima primeira sessão. Hikihara aplaudiu o nível de envolvimento e a qualidade das discussões e incentivou as partes interessadas a continuarem a se envolver com as partes interessadas relevantes para fortalecer a parceria global no avanço da prevenção ao crime, da justiça criminal e do estado de direito para a realização da Agenda 2030. 

Dirigindo-se à reunião, Lachezara Stoeva, presidente do Conselho Econômico e Social da ONU, destacou que “os sistemas de justiça criminal em todo o mundo continuam enfrentando desafios no cumprimento de seus mandatos e na garantia de acesso igualitário à justiça, especialmente para aqueles que ficaram para trás”. 

Outros palestrantes que participaram das discussões incluíram a Diretora Executiva do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime Ghada Waly, a Presidente da Comissão sobre a Situação da Mulher Embaixadora Mathu Joyini da África do Sul, a Presidente da Comissão para o Desenvolvimento Social Embaixadora Alya Al- Thani, do Qatar, e Heeyeon Cho, delegada do Youth Forum for a Culture of Legalness, organizado pelo Japão em dezembro de 2022.

Mais informações

As discussões temáticas atingiram um público global, com mais de 700 participantes inscritos de 110 países e organizações. Os três dias contaram com intervenções e apresentações de especialistas dos Estados Membros, organizações intergovernamentais, sociedade civil e membros da Rede do Programa de Prevenção ao Crime e Justiça Criminal da ONU. 

A colaboração entre as entidades da ONU na abordagem dos temas da discussão foi demonstrada através das intervenções feitas pelo Departamento de Operações de Paz, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Organização Internacional para as Migrações, Gabinete do Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos humanos, Organização Mundial da Saúde, Fundo das Nações Unidas para a Infância, Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos, ONU Mulheres, Relatores Especiais das Nações Unidas sobre Tortura e Tráfico de Pessoas e Subcomitê de Prevenção da Tortura.  

Para consultar as apresentações e depoimentos dos palestrantes, clique aqui

 

- Propaganda -

Mais do autor

- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda - spot_img

Deve ler

Artigos Mais Recentes