3.1 C
Bruxelas
Domingo janeiro 29, 2023

Países em desenvolvimento enfrentam 'trade-off impossível' na dívida

IMPORTANTE: As informações e opiniões reproduzidas nos artigos são de quem as declara e são de sua responsabilidade. A publicação no The European Times não significa automaticamente o endosso da opinião, mas o direito de expressá-la.

Notícias das Nações Unidas
Notícias das Nações Unidashttps://www.un.org
Notícias das Nações Unidas - Histórias criadas pelos serviços de notícias das Nações Unidas.

6 de Dezembro de 2022 Desenvolvimento Econômico

A espiral da dívida nos países em desenvolvimento comprometeu suas chances de desenvolvimento sustentável, alertou o chefe da agência de facilitação do comércio da ONU, UNCTAD.

Falando em Genebra, Rebeca Grynspan disse que entre 70 e 85 por cento da dívida dos países emergentes e de baixa renda é em moeda estrangeira.

Isso os deixou altamente vulneráveis ​​aos grandes choques cambiais que atingem os gastos públicos – justamente no momento em que as populações precisam de apoio financeiro de seus governos.

Sra. Grynspan – falando na 13ªth Conferência de Gestão da Dívida da UNCTAD – explicou que até agora este ano, pelo menos 88 países viram suas moedas depreciarem em relação ao poderoso dólar americano, que ainda é a moeda de reserva preferida de muitos em tempos de estresse econômico global.

E em 31 desses países, suas moedas caíram mais de 10%.

Peso da dívida equivalente ao gasto total com saúde

Isso teve um impacto extremamente negativo para muitos países africanos, onde o chefe da UNCTAD observou que as desvalorizações da moeda aumentaram o custo do pagamento da dívida “no equivalente aos gastos com saúde pública no continente”.

O evento, que acontece de 5 a 7 de dezembro em Genebra e online, ocorre no momento em que uma onda de crises globais levou muitos países em desenvolvimento a contrair mais dívidas para ajudar os cidadãos a lidar com as consequências.

Os níveis de dívida do governo como parcela do PIB aumentaram em mais de 100 países em desenvolvimento entre 2019 e 2021, disse a UNCTAD. Excluindo a China, esse aumento é estimado em cerca de US$ 2 trilhões.

“Isso não aconteceu por causa do mau comportamento de um país. Isso aconteceu por causa de choques sistêmicos que atingiram muitos países ao mesmo tempo”, A Sra. Grynspan disse.

Com as taxas de juros subindo acentuadamente, a crise da dívida está pressionando enormemente as finanças públicas, especialmente nos países em desenvolvimento que precisam investir em educação, saúde, economia e adaptação às mudanças climáticas.

“A dívida não pode e não deve se tornar um obstáculo para alcançar os objetivos Agenda 2030 e a transição climática de que o mundo precisa desesperadamente”, argumentou.

A UNCTAD defende a criação de um quadro jurídico multilateral para a reestruturação e alívio da dívida.

Essa estrutura é necessária para facilitar a resolução oportuna e ordenada da crise da dívida com o envolvimento de todos os credores, com base no programa de redução da dívida estabelecido pelo Grupo das 20 principais economias (G20), conhecido como Estrutura Comum.

image1170x530cropped - Os países em desenvolvimento enfrentam uma 'compensação impossível' na dívida
PMA Bolívia/Ananí Chavez – Uma mulher indígena Guarani da Comunidade Tentaguasu do Chaco boliviano tecendo folhas de palmeira, dezembro de 2021. O ministro das Relações Exteriores da Bolívia pediu aos países que apoiem a plataforma da UNCTAD de reformas da dívida.

Círculo vicioso da dívida

“Devemos apoiar o apelo da UNCTAD por uma reforma da governança monetária e financeira internacional”, disse o presidente da Bolívia, Luis Acre, em comunicado do ministro das Finanças do país, Marcelo Montenegro.

O Sr. Montenegro pediu o reexame dos principais aspectos da arquitetura financeira internacional, incluindo as avaliações de sustentabilidade da dívida que servem como base para as negociações entre devedores e credores em relação à reestruturação da dívida.

À medida que os encargos da dívida aumentam, os governos dos países em desenvolvimento acabam em um círculo vicioso, incapazes de investir na consecução dos objetivos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e aumentar suas economias, tornando ainda mais difícil pagar suas dívidas.

Se um país entra em default, os termos da reestruturação da dívida são geralmente definidos por grupos de credores que competem para obter os melhores termos, em vez de dar prioridade a preocupações econômicas e de desenvolvimento, ou quão sustentável é manter os pagamentos em dia.

“Para resolver essas questões de forma equitativa, isso precisa ser feito de maneira a manter a capacidade dos países devedores de crescer e cumprir suas obrigações de dívida atuais e futuras, ao mesmo tempo em que cumpre seus compromissos com os ODS”, disse o presidente do Sri Lanka, Ranil Wickremesinghe, em declaração do representante permanente do país em Genebra, embaixador Gothami Silva.

“Acredito que as Nações Unidas estão em melhor posição para encontrar soluções para esse fim”, disse Silva.

Fugindo da crise climática

A UNCTAD disse que se o aumento médio nas dívidas soberanas avaliadas desde 2019 fosse totalmente refletido nos pagamentos de juros, os governos pagariam US$ 1.1 trilhão adicionais no estoque da dívida global em 2023, mostram as estimativas.

Esse valor é quase quatro vezes o investimento anual estimado de US$ 250 bilhões necessário para a adaptação e mitigação do clima nos países em desenvolvimento, de acordo com um relatório da UNCTAD.

“A arquitetura financeira global anacrônica inibe o acesso oportuno ao desenvolvimento acessível e ao financiamento climático”, disse o ministro das finanças de Belize, Christopher Coye, antes da conferência.

Na conferência de gestão da dívida da UNCTAD, o ministro das Finanças de Barbados, Ryan Staughn, disse que o mundo precisa encontrar uma solução para a crise da dívida “que permita aos países continuar respondendo à crise climática sem se meter em problemas”.

“Não preciso dizer a diferença entre tomar empréstimos para construir uma escola ou policlínica e tomar empréstimos para construir um aeroporto ou um porto marítimo, que têm objetivos totalmente diferentes”, disse Staughn em comunicado entregue em nome da primeira-ministra Mia Amor Mottley.

image1170x530cropped 2 - Os países em desenvolvimento enfrentam uma 'compensação impossível' na dívida
Foto da ONU/Ariana Lindquist – A primeira-ministra Mia Amor Mottley, de Barbados, discursa em uma reunião sobre a implementação do Acelerador Global de Empregos e Proteção Social na sede da ONU. Em um discurso na conferência da UNCTAD, ela exortou o mundo a não negligenciar a crise climática ao considerar a reestruturação da dívida.

soluções multilaterais

A UNCTAD promove soluções multilaterais nas áreas de capacitação, transparência da dívida e resolução e alívio da crise da dívida. 

A organização está apoiando os países por meio de seus Programa de Gerenciamento de Dívidas e Análise Financeira (DMFAS), uma de suas iniciativas de assistência técnica de maior sucesso.

A iniciativa oferece aos países soluções comprovadas para administrar a dívida e produzir dados confiáveis ​​para a formulação de políticas, afirmou a UNCTAD. Desde a sua criação, há mais de quatro décadas, o DMFAS apoiou 116 instituições – principalmente ministérios das finanças e bancos centrais – em 75 países.

Um exemplo é a Chade, que em janeiro de 2022 se tornou o primeiro país a solicitar oficialmente a reestruturação da dívida no âmbito do Quadro Comum do G20.

Sobre a transparência da dívida, a UNCTAD apóia o estabelecimento de um registro de dados da dívida acessível ao público para os países em desenvolvimento.

- Propaganda -

Mais do autor

- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda -
- Propaganda - spot_img

Deve ler

Artigos Mais Recentes